ENGENHARIA FILOSÓFICA

Twitter: @jonatasdlima

Mulheres estão compartilhando nas redes sociais suas experiências com o aborto

"Meu corpo, minha escolha"

“Meu corpo, minha escolha”

[Meus comentários seguem entre colchetes – JDL]

Na tarde do último sábado (19), a escritora Amelia Bonow, de Seattle, nos Estados Unidos, escreveu em sua página do Facebook sobre a experiência pela qual passou realizando um aborto um ano atrás [seria interessante pedir que o bebê também compartilhasse suas emoções ao ser assassinado? Suponho que sua indefensibilidade e consequente morte não permitem]. Ela contou com o apoio e os recursos da Planned Parenthood (Paternidade Planejada, em tradução literal), organização não governamental que provê serviços para saúde reprodutiva [serviços para saúde reprodutiva? saúde?] para milhares de mulheres.

A ONG ainda é muito criticada nos Estados Unidos, principalmente nos estados com governos republicanos — em julho deste ano, Bobby Jindal, governador da Louisiana e possível candidato a presidência do país, clamou por uma “investigação criminal” em torno da organização.

“Eu estou falando sobre a minha experiência hoje porque aqueles que estão fazendo de tudo para desbancar a Planned Parenthood supõem que o aborto ainda é algo que deve ser tratado como um tabu”, disse Amelia. “Muitas pessoas acreditam que, se você é uma boa mulher, a escolha de fazer um aborto deve ser acompanhada de algum nível de tristeza, vergonha ou arrependimento. Mas quer saber? Eu tenho um bom coração e ter abortado me deixou feliz. Por que eu não ficaria feliz em não ter sido forçada a me tornar mãe?” [muitos problemas surgem neste último parágrafo: (1) que padrão moral Amelia Bonow utilizou para se auto-definir “boa”? que referência moral transcendental é essa o suficiente para discernir o bom do mau?; (2) não duvido de que o aborto possa tê-la deixado aliviada, “feliz”; contudo, a vida do feto, que por definição é um ser humano e possui dignidade intrínseca, não é, em hipótese alguma, objeto passível de eliminação apenas para seu bel-prazer; (3) ninguém a forçou a ser mãe; salvo o caso de um estupro – que ainda assim não elimina o fato do direito à vida do feto em formação -, o ato sexual em si foi de livre e espontânea vontade; muito curiosa a consciência natural para o apelo pela manutenção da vida].

O depoimento da escritora e estudante da Universidade de Antioch em Seattle repercutiu nas redes sociais e se consolidou nos últimos dias por meio da hashtag “Shout Your Abortion” (Grite o seu Aborto, em tradução livre) no Twitter. Centenas de mulheres que abortaram por escolha própria estão compartilhando suas experiências e reforçando a visão de que o aborto deve ser uma escolha das mulheres, e não dos governos ou entidades religiosas [o aborto é, antes de uma discussão política e religiosa, uma discussão filosófica-ética e científica; uma vez entendido o valor e justiça da vida em formação que, cientificamente, já é um ser humano, sobra, apenas, para a religião apresentar os aspectos morais práticos envolvidos num aborto e, ao Estado, garantir que a vida e direitos sejam preservados].

Dados da Planned Parenthood mostram que três em cada 10 mulheres dos Estados Unidos têm um aborto até completarem 45 anos. Uma pesquisa realizada por várias instituições estadunidenses, entre elas a Universidade da Califórnia em São Francisco, mostra que 95% das mulheres que escolhem terminar uma gravidez não se arrependem de fazê-lo. Nesses casos, a sensação de alívio é maior do que qualquer tipo de emoção negativa, mostra o estudo [(1) novamente: sensações e emoções não justificam o assassínio; dar-se-ia, se assim o fosse, perdão aos estupradores, pois também ficaram “felizes” por estuprar; (2) o texto aponta para um fator de intensidade; não quer dizer que por haver um sentimento de alívio não haja sentimentos de culpa ou arrependimento; ações sociais com mães, realizadas inclusive por denominações religiosas, que decidiram ter seus filhos – mesmo sendo resultado de um estupro – têm apontado que estas mães jamais se arrependem de ter decidido não abortar].

Um levantamento realizado pelo jornal britânico The Guardian mostra que países como a França, Alemanha, Grécia e Bélgica, por exemplo, possuem leis mais liberais sobre o aborto, enquanto Venezuela, Paraguai e Brasil são alguns dos países com maiores restrições em relação à prática.

No Brasil, o debate está um tanto quanto atrasado. Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 1,25 milhão de abortos ilegais ocorrem anualmente no país. Ainda assim, o aborto só é permitido em alguns casos relacionados à violência sexual.

E até esse direito pode ser perdido: está em tramitação na Câmara dos Deputados o Projeto de Lei 5069/2013, que em vez de considerar violência sexual qualquer forma de atividade sexual não consentida, como é a perspectiva da lei brasileira atualmente, define violência sexual como aquela em que os casos resultam em danos físicos e psicológicos. Além disso, caso o projeto de autoria do presidente da Câmara, Eduardo Cunha, vingar, as vítimas de violência sexual só terão acesso a atendimento hospitalar após passar por um exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) e de registrar queixa na polícia.

(Galileu)

Confira também este post sobre o tema.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 24 de setembro de 2015 por em Moralidade e marcado .
Momento Bíblia Anotada

Este blog apresenta dicas de anotações interessantes na Bíblia.

SÉTIMO DIA

Um Blog Adventista com Assuntos Contemporâneos

LER PRA CRER

"Um livro pode ser nosso sem nos pertencer. Só um livro lido nos pertence realmente." Eno T. Wanke

%d blogueiros gostam disto: