ENGENHARIA FILOSÓFICA

Twitter: @jonatasdlima

Um detetive responde: O que estava escrito na cruz de Jesus?

[Traduzi o artigo abaixo do blog Cold-Case Christianity, sobre o qual darei mais detalhes ao final. Meus grifos seguem em negrito.]

016_inri_fs

Por que há quatro versões da inscrição da Cruz de Jesus?

Não é incomum para os céticos do cristianismo apontar as diferenças entre relatos dos Evangelhos do Novo Testamento como provas de corrupção ou falta de confiabilidade. Tenho discutido muitas destas supostas contradições nas minhas palestras em todo o país, e escrevi sobre muitas delas aqui no Cold-CaseChristianity.com. Um exemplo, por vezes oferecido pelos críticos é a inscrição acima da cruz de Jesus. A breve e simples mensagem desta inscrição é registrada por todos os quatro autores dos Evangelhos, embora nenhum deles tenha escrito exatamente as mesmas palavras. Como puderam esses quatro homens deixar de registrar a mesma inscrição, dada a importância do momento e brevidade da mensagem? Veja as variações oferecidas pelos autores dos Evangelhos:

“ESTE É JESUS, O REI DOS JUDEUS” (Mateus 27:37)
“O REI DOS JUDEUS” (Marcos 15:26)
“ESTE É O REI DOS JUDEUS” (Lucas 23:38)
“JESUS NAZARENO, O REI DOS JUDEUS” (João19:19)

Na avaliação de supostas “contradições” dessa natureza, acho que é importante lembrarmos de alguns princípios gerais relacionados ao testemunho ocular (Descrevo muitos desses princípios em meu primeiro livro, Cold-Case Christianity). Mesmo que eu aceite e afirme a infalibilidade das Escrituras, infalibilidade não é exigida de testemunhas oculares confiáveis. Na verdade, eu nunca tive uma testemunha ocular completamente inerrante em todos os meus anos como um detetive de homicídios. Além disso, eu nunca tive um caso em que duas testemunhas concordaram completamente sobre os detalhes do crime. A confiabilidade de uma testemunha ocular não é dependente da perfeição, mas, em vez disso, é estabelecida com base em um modelo de quatro partes, que descrevi várias vezes no meu livro e no meu site. Mas além destas generalidades, muito pode ser dito especificamente sobre as variações entre as descrições da mensagem sobre a cruz de Jesus. Eu tomo a seguinte abordagem ao avaliar vários relatos de testemunhas oculares, e a mesma metodologia pode ser usada para avaliar estas descrições:

  • Identifique os Detalhes em Comum
    Ao entrevistar várias testemunhas oculares, eu ouço com atenção as características comuns em seus depoimentos. Nas observações de cada testemunha, alguns detalhes são mais importantes do que outros; alguns aspectos do evento se destacam mais na mente de uns observadores do que outros. Neste caso, uma expressão é repetida por todos os quatro autores: “O REI DOS JUDEUS”. Por que esse aspecto da inscrição aparece repetidamente sem variação? Estas palavras descrevem o crime pelo qual Jesus foi executado. Jesus foi crucificado porque ele se proclamou um rei; Ele foi executado por sua suposta rebelião contra César. Isto é consistente com os relatos que temos nos Evangelhos e também reflete com precisão as ações tomadas pelo governo romano contra outros rebeldes populares. Enquanto nós, como cristãos, agora entendemos o plano de Deus relacionado à morte e ressurreição de Jesus, os autores dos Evangelhos estavam simplesmente registrando a característica principal da inscrição: a descrição do crime de Jesus.

  • Reconheça a Perspectiva de Cada Testemunha Ocular
    Cada testemunha oferece uma visão sobre o evento a partir de sua perspectiva única. Não estou falando apenas de perspectivas geográficas ou locacionais, mas, também, sobre a visão de mundo pessoal, história e experiência que cada testemunha traz para o crime. Todos os testemunhos são coloridos pelos interesses pessoais, preconceitos, aspirações, preocupações e idiossincrasias das testemunhas oculares. Neste caso particular, uma pista importante foi registrada por João para nos ajudar a entender por que pode haver variação entre os relatos. João disse: “Muitos dos judeus leram a placa, pois o lugar em que Jesus foi crucificado ficava próximo da cidade, e a placa estava escrita em aramaico, latim e grego [João 19:20].” O sinal foi escrito em uma variedade de línguas e nós simplesmente não sabemos quanta variação ocorreu entre essas traduções. A perspectiva e experiência de vida de cada autor agora entra em jogo. Qual tradução foi o autor se referenciou? Ainda mais importante, quais eram as preocupações do autor relacionadas com o evento? Algumas testemunhas são mais propensas a repetir o nome de uma vítima do que outras (se, por exemplo, conheciam a vítima pessoalmente). Outras se concentram em algo que tinham conhecimento em primeira mão. Já presenciei uma incrível quantidade de variação entre testemunhos confiáveis, com base em nada mais do que perspectiva pessoal.
  • Considere as Condições da “Entrevista”
    Trabalhando em Arquivos Mortos ao longo dos anos, eu li o meu quinhão de relatórios complementares de investigação contendo relatos de testemunhas oculares. Acabei por reconhecer o papel que os entrevistadores têm sobre os relatos feitos por testemunhas oculares. Anos mais tarde, quando voltei a entrevistar essas mesmas testemunhas, descobri informações adicionais simplesmente porque fiz perguntas que foram negligenciadas pelo primeiro entrevistador. Ao avaliar um relato do passado, é importante reconhecer a localização, forma e propósito da entrevista. Isto terá um impacto direto sobre o testemunho final. Algo semelhante deve ser considerado quando se avalia a descrição da mensagem na cruz de Jesus. Nós simplesmente não sabemos exatamente o propósito de cada autor ou as condições em que cada um escreveu seu evangelho. Por que, por exemplo, é a versão de Marcos da inscrição tão breve? Por que, aliás, é todo o Evangelho de Marcos tão breve? Havia algo na personalidade de Marcos que justificasse sua brevidade (até parece haver alguma evidência disso, dada a curta, e emocionalmente natureza carregada de seu relato), ou era algo ainda mais simples envolvido (como a falta de papiro)? Nós nunca saberemos ao certo, mas simplesmente não podemos assumir que cada autor estava escrevendo sob as mesmas condições. Duas testemunhas não entrevistadas exatamente da mesma maneira.
  • Diferencie Entre Relatos Complementares e Conflitantes
    Ao comparar dois relatos de testemunhas oculares, estou mais preocupado com as contradições insolúveis do que detalhes complementares. Na verdade, sempre espero algum grau de variação resolúvel em verdadeiras e confiáveis testemunhas oculares. Enquanto há claramente variações entre as descrições da inscrição nos Evangelhos, essas diferenças não constituem uma verdadeira contradição. Considere a seguinte mensagem razoável sobre o sinal:

    “Este é Jesus de Nazaré, Rei dos Judeus”

    Se esta foi a real mensagem da inscrição, todos os quatro relatos evangélicos capturaram um confiável e complementar relato da inscrição, mesmo que haja alguma variação esperada entre registros. Nenhum destes relatos contém uma reivindicação problemática e insolúvel como:

    “Este é Judas Iscariotes, o Rei dos Judeus”

    Se um dos relatos contivesse esta informação, nós realmente teríamos um conflito digno de nossa atenção. Há uma diferença entre uma variação complementar e uma descrição conflitante.

  • Avalie a Oportunidade de Conivência
    Sempre que eu sou chamado para uma cena de crime como um detetive, o primeiro pedido que faço do despachante é separar as testemunhas antes de eu chegar lá. Peço isso para que as testemunhas não tenham a oportunidade de falar entre si sobre o que viram. Testemunhas às vezes tentam resolver quaisquer variações antes de eu chegar lá. Eu não quero que eles façam isso; esse é meu trabalho, não deles. Em vez disso, prefiro os relatos bagunçados, às vezes confusos, e aparentemente contraditórios, oferecidos por cada grupo de testemunhas em tal situação. Houve tempos, no entanto, que as testemunhas tiveram a oportunidade de consultar um ao outro durante várias horas antes de eu chegar na cena. Quando este é o caso, e seus relatos individuais ainda variam um do um outro, costumo ter ainda mais confiança na confiabilidade deles. Quando as pessoas têm a oportunidade de alinhar suas declarações, mas ainda se recusam a fazê-lo, sei que eu estou recebendo os detalhes que preciso para investigar corretamente o caso. Os autores do Evangelho (e a Igreja primitiva) certamente tiveram a oportunidade de mudar suas descrições para se certificarem de que eles combinassem, mas se recusaram a fazê-lo. Como resultado, podemos ter ainda mais confiança na confiabilidade destes relatos. Eles mostram o nível de variação que eu poderia esperar de verdadeiras descrições de testemunhas oculares confiáveis.

Se os quatro autores dos Evangelhos tivessem escrito exatamente as mesmas palavras ao longo de suas relatos dos Evangelhos, os céticos não seriam mais confiantes em seu conteúdo. Na verdade, eu suspeito, os críticos do Novo Testamento seriam ainda mais fortes em sua oposição. Os Evangelhos são adequadamente variados e cheios de detalhes, assim como todos os vários relatos de testemunhas oculares. As variações entre as descrições da inscrição da cruz é mais uma prova dessa variação esperada. Este nível de dissimilaridade deve nos dar confiança nos relatos, em vez de dúvida. Por que existem quatro versões da inscrição sobre a cruz de Jesus? Por que foram escritas com base em observações de testemunhas oculares. Eles demonstram as características esperadas de descrições confiáveis, de um verdadeiro acontecimento na história.

(J. Warner Wallace é um Detetive de Arquivo-Morto (Cold-Case Detective), moderador do blog Cold-Case Christianity e autor do livro homônimo)

Nota do EF: Conheci a blog e livro de J. Warner Wallace recentemente. Wallace é Detetive de Arquivo-Morto de Los angeles (que soa como detetive criminal de casos especiais não-resolvidos, à là o filme “Alta Frequência”). O mais interessante é que Wallace, que era ateu, decidiu utilizar suas técnicas de investigação para avaliar a veracidade bíblica, sobretudo dos Evangelhos. O resultado foi o livro Cold-Case Christianity: A Homicide Detective Investigates the Claims of the Gospels (Cristianismo Arquivo-Morto: Um Detetive de Homicídios Investiga as Afirmações dos Evangelhos – tradução livre), o qual já está na minha lista de aquisições proprietárias. Indico uma visita regular ao seu blog.

Anúncios

Um comentário em “Um detetive responde: O que estava escrito na cruz de Jesus?

  1. Pingback: A fé de um cristão-detetive | ENGENHARIA FILOSÓFICA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 9 de janeiro de 2015 por em Bíblia, Evangelhos, Jesus e marcado , , , , , .
Momento Bíblia Anotada

Este blog apresenta dicas de anotações interessantes na Bíblia.

SÉTIMO DIA

Um Blog Adventista com Assuntos Contemporâneos

LER PRA CRER

"Um livro pode ser nosso sem nos pertencer. Só um livro lido nos pertence realmente." Eno T. Wanke

%d blogueiros gostam disto: