ENGENHARIA FILOSÓFICA

Twitter: @jonatasdlima

A equação da fé

FÉ1Fé racional.

A expressão acima é o ponto de partida para o cristão da atualidade (na verdade, qualquer cidadão do mundo), comprometido com a verdade e com a busca da felicidade plena.
Sem querer entrar nas discussões paralelas (e essenciais), “o que é a verdade”, “o que é a felicidade” e etc., que com certeza serão temas de outros posts, quero pensar um pouco sobre a fé em si.

Infelizmente, muitos ainda confundem fé com fideísmo. Norman Geisler, em Enciclopédia de Apologética, página 349, define:

“O fideísmo religioso afirma que assuntos de fé e crença religiosa não são apoiados pela razão. […] Os fideístas são céticos em relação à natureza da evidência aplicada à crença. Eles acreditam que nenhuma evidência ou argumento se aplica à crença em Deus.”

Tenho certeza que, infelizmente, você já viu/ouviu algo neste sentido. Há nas igrejas, na televisão, nos filmes, na política e até mesmo nos livros. As consequências imediatas do fideísmo são vergonhosas (para os cristãos fiéis, não-fideístas), e ainda podem chegar a níveis horripilantes, dos quais a história testifica (mas sempre houve fiéis).

O mais interessante reside no fato de a Bíblia, livro sagrado dos fiéis e fideístas, não apoiar o fideísmo. Sim; a razão, segundo a Bíblia, é ferramenta indispensável para aquele que busca Deus e sua verdade.

Veja, por exemplo, os seguintes textos:

“[…] ‘Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o seu entendimento’.” Mateus 22:37

“[…]Estejam sempre preparados para responder a qualquer que lhes pedir a razão da esperança que há em vocês.” 1 Pedro 3:15

” ‘Venham, vamos refletir juntos‘, diz o Senhor.[…]” Isaías 1:18

Nem mesmo a Bíblia apoia o vazio do “crer pelo crer” dos muitos cristãos fideístas. Em vez disso, fica claro o respaldo e chamado bíblico para o uso da razão como ferramenta para vivermos melhor em sociedade (Mateus 22:37), argumentarmos a favor da fé que professamos como fiéis (1 Pedro 3:15) e que o Deus professado pelos cristãos é um Deus racional, que zela pelo entendimento (Isaías 1:18).

O papel da fé
A razão não pode produzir fé. A razão acompanha, mas não causa a fé (Enciclopédia de Apologética, pág. 341).

Analisemos o texto bíblico de Efésios 2:8 e a citação de Tomás de Aquino (Aquino, Ephesians, 96), em sequência:

“Pois vocês são salvos pela graça, por meio da fé, e isto não vem de vocês, é dom de Deus;[…]”

“[…] o conteúdo da fé está acima da razão […] Então, o fato de um homem acreditar não pode surgir nele a não ser que Deus o conceda”

Ainda, segundo Aquino, a razão ou filosofia pode ser usada de três maneiras:

  1. Aponta os “preâmbulos da fé” (que Deus existe, que somos suas criaturas…);
  2. Analisa os ensinamentos dos filósofos para revelar conceitos correspondentes na fé cristã;
  3. Opõe-se a ataques contra a fé a partir da lógica.

Ou seja, há um consenso entre Bíblia e filósofos cristãos-fiéis, antigos e contemporâneos, que a razão é ferramenta fundamental para o entendimento (e descoberta) de grandes verdades, mas a fé é fator determinante e transcende as habilidades humanas.

Uma equação para ajudar
Desenvolvi o seguinte pensamento matemático para sintetizar o escrito acima.

Imagine a seguinte equação matemática:

( X + Y + Z + … ) x F = 100%

Suponhamos que X, Y, Z + … sejam motivos, evidências embasadas na razão para o conhecimento de um tema qualquer. Podemos chamar a lógica de X, as evidências biológicas de Y, as evidências da astronomia de Z e assim por diante.

Agora, imagine que para um determinado tema fundamental, por exemplo “Deus existe?”, fossem adicionadas evidências de diversos campos, com dados, teses, artigos, o máximo de evidências possíveis e encontráveis segundo a inteligência humana. No final da conta, nunca dá igual a 100%.

Para corrigir a conta, mediante a fé, que é dom de Deus e ocorre mediante permissão e aceite do pesquisador, íntegro às evidências encontradas, adicionamos o fator F, multiplicando-o pelas evidências já encontradas.

Este fator F, que é a fé em si, permite a correção da equação e dá segurança ao pensador. Não foi fruto da pesquisa, das evidências, porém é uma correção matemática necessária, indispensável para a equação. Sem ela, as evidências ficam espalhadas no chão, e a conclusão, indeterminada. Logo, dependendo do tema, o fator F pode ser menor ou maior, mas ainda é um fator. O restante da equação sempre dependerá da disposição do pensador/matemático em buscar os dados/evidências para a conta.

Com certeza irei postar mais sobre o assunto FÉ. Mas para finalizar por hoje, fico com o pensamento do filósofo Ravi Zacharias, no livro A Morte da Razão, página 64:

“A visão de mundo da fé cristã é bem simples. Deus pôs neste mundo o suficiente para tornar a fé nele uma coisa bem razoável. Mas, deixou de fora o suficiente a fim de que viver tão somente pela razão pura fosse impossível.”

Jônatas Duarte Lima

Anúncios

Um comentário em “A equação da fé

  1. Pingback: A fé de um cristão-detetive | ENGENHARIA FILOSÓFICA

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Informação

Publicado às 26 de dezembro de 2014 por em , Razão e marcado , .
Momento Bíblia Anotada

Este blog apresenta dicas de anotações interessantes na Bíblia.

SÉTIMO DIA

Um Blog Adventista com Assuntos Contemporâneos

LER PRA CRER

"Um livro pode ser nosso sem nos pertencer. Só um livro lido nos pertence realmente." Eno T. Wanke

%d blogueiros gostam disto: